Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Malabarista

Sensibilidade e Bom Senso

Eu, com uma grande calma e tom pedagógico a explicar aos miúdos que às vezes recebemos presentes de que não gostamos, e que não há problema nenhum, agradecemos e sorrimos. Explico que se isso acontecer na noite de Natal dão o presente para a mãe guardar e depois vamos à loja trocar.

 

Na hora de testar os conhecimentos adquiridos disse-lhes, agora imaginem que recebiam um saco de batatas, o que é que diziam? As respostas foram:

 

Ele: " UUUhhhh, isso é feio cheira a puns!"

 

Ela: " Obrigada! - sorriso -  Mas não gosto"

 

Jimmy Kimmel Style:

 

 

Presentes de Natal 2016 - Se os meus miúdos não existissem tinham de ser inventados...

Esta família é uma desgraça no que toca a dar presentes aos miúdos (eu incluída) por isso há muito tempo que a regra de 1 presente apenas está instaurada, e até temos sido relativamente bem sucedidos na tarefa. Tendo um com 4 e uma com 6 anos os presentes mais pedidos não são de todo do mais exorbitante. Aliás, eles avaliam o presente pelo tamanho da caixa - o que já deu origem a choradeiras, explicações exaustivas e por fim um get over it da parte desta mãe e do respectivo pai. Contudo há pedidos daqueles que vale a pena registar para mais tarde me rir. Vejamos:

 

Ele gostava de receber o Senhor Dinkles. E quem é o Senhor Dinkles? Em que filme é esta a personagem principal, o herói ou vá, pelo menos a personagem que faz umas piadolas? Bem, em nenhum. Entra no filme dos Trolls e é o peluche de estimação de uma personagem - o Biggie. O meu filho não quer a personagem, não, ele quer o peluche da personagem. Quem sabe o miúdo é alto visionário e não tarda há um spinoff do peluche?

 

BiggieDinkles.jpeg

 

 

Ela anda há anos a pedir-me algo que não compreendo: um spa de contas para os pés. Eu sei que ela salta, pula, corre e caminha o dia todo, mas parece-me um bocado cedo para estas coisas de velhota, não?!

BeadsSpa.jpg

 

 

Crise de Meia-Idade?

Primeiro comprei uma pistola de cola quente. Não sei porquê, comprei. Sempre quis ter uma e pronto comprei. 

Agora comecei a partilhar receitas (com foto e tudo) num fórum da Bimby.

Daqui a um mês vou meter maminhas.

 

Será crise da meia-idade?

 

É que não parece nada. Parece-me antes que faço o que quero quando quero (ainda que as opções não sejam de todo coerentes entre si, but who cares?) e estou a gostar muuuuito!

 

Giveadamn.jpg

 

Captain's Log, Stardate 94543.07, Home

Venho eu escrever um post inspirada pela voz do William Shatner no StarTrek, quando descubro isto, maravilha das maravilhas: um conversor de data terreste para data estelar. Coisas que fazem a minha inner geek rejubilar.

 

Dezembro é um mês esquisito. É estilo aquela semana antes de ir de férias em que já ninguém tem pachorra para nada e o tempo é ocupado só para ver se passa mais rápido. Experimentem estar desempregadas e vejam como não há ocupação que vos valha (haver até há... mas quem é que acha que o tempo passa rápido enquanto se passa a ferro? not me). Em compensação tenho os presentes quase todos comprados, embrulhos pipis e uma árvore de natal decente pela primeira vez em anos.

 

A puta da Pavlova ganhou-me. Não vale o esforço. Consegui em duas vezes fazer uma perfeita. A primeira estava bonita, vistosa, insuflada e sabia a cartão. A segunda sabia maravilhosamente mas parecia uma passa mirrada. Chega. 

 

IEFP na semana passada, sessão de esclarecimento sobre os incentivos à criação do próprio emprego. Resumo breve: se estiverem dispostos a vender a alma ao diabo a troco de nada avancem. Moral: o incentivo é na realidade a ficar desempregada, sossegadinha no meu canto. Na próxima semana mais uma sessão de esclarecimento: Direitos e Deveres - até à capaz de ter a sua utilidade, já que naquele português burocráticó-bafiento há rasteiras de certeza aos panfletos que me deram. 

 

Tenho dormido por todas as horas que não dormi enquanto trabalhava. Tenho visto séries de enfiada e saltitado filmes. Colocado os cafés em dia com as amigas e feito shopping nas horas vagas. Vou buscar os miúdos mais cedo, faço Lego e jogo Uno. Cozinho pratos de forno, experimento receitas e penso na decoração da mesa de Natal. Sem culpas. A viver um dia de cada vez. 

Pavlova 1 - Malabarista ?

Esta pessoa, que devia estar a passar a ferro, está a travar um braço de ferro com a senhora Pavlova. Sábado passado comecei esta luta, com a primeira tentativa - afinal quão difícil é cozer um suspiro gigante e recheá-lo? 

Aproxima-se o jantar de Natal a passos largos, e eu que sou moça para beber uns copitos e alapar no sofá a ver o circo de Montecarlo tenho de me chegar à frente em qualquer coisa que me faça merecer o jantar. Por isso as sobremesas são uma aposta segura. Este ano decidi fazer Pavlova, e o efeito almejado é qualquer coisa deste género:

 

pavlova-1.jpg

Imagem tirada daqui 

 

Acontece que do efeito almejado até à dura realidade a distância é curta. O raio do suspiro gigante e eu ainda não nos entendemos quanto à consistência e solidez do dito.

Hoje tenho mais um, mas o gajo já se mirrou (sim, deixei arrefecer completamente, e não, não abri o forno até estar completamente frio). O curd de Maracujá está maravilhoso, o chantilly é tranquilo, por isso doce não falta. Só mesmo o aspecto da foto. 

Conselhos aceitam-se.