Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

A Malabarista

WebSummit 2016

Este post devia chamar-se "Eu tenho dois amores".

Entre a Filosofia e o Trabalho na parte mais prática da minha vida a coisa está caótica. E nisto de ter dois amores acho que a Filosofia está a sair negligenciada. Não tenho aspirações de ser o Kant de saias do século XXI, mas também nunca me passou pela cabeça voltar a estudar para correr tudo a 10 e ficar feito. Quero mais, quero aprender mesmo e crescer mentalmente. Só que isto está a revelar-se difícil neste primeiro semestre de regresso ao estudo. É simplesmente too much going on.

Entre fechar uma empresa, a miríade (vês, não usei panóplia S.!) de afazeres de mãe/gaja/esposa, e o lado profissional a universitária que vive cá dentro está no mesmo estado que a malta que passou a semana em borgas, festas, tunas e bezanas: KO.

 

O WebSummit terminou ontem. Três dias a absorver o máximo possível (e a faltar a todas as aulas pelo meio)

O evento é uma coisa monstruosa, com pontos a melhorar para o próximo ano, o balanço é definitivamente positivo quanto à organização. Não é hábito ir-se a um evento em Portugal onde as pessoas são simpáticas e sorridentes para todo o tipo de pessoas. Consta que circularam indicações do género "como não é possível identificar quem é a malta importante tratem todos bem". O princípio é mau? É. Mas o resultado foi bom, e com a energia positiva que voluntários e seguranças, forças da autoridade e funcionários receberam espero que o efeito se mantenha para lá do evento. 

 

Gostei da diversidade de áreas tão diferentes como: AI, Moda, Saúde & Fitness, Finanças, Turismo, unidas pela malha da web e da tecnologia. É inegável que estamos a viver a revolução tecnológica e que o nosso tempo, as nossas necessidades e a nossa forma de estar são vividas a uma velocidade muito mais rápida do que as gerações anteriores à nossa. O potencial é enorme.

Gostei da acessibilidade para saber mais sobre projectos interessantes, fazer perguntas, ouvir pitches. Há inspiração em qualquer lugar ali dentro.

 

Não gostei:

- da falta do mesmo fio condutor para os diferentes palcos: agora é um debate, a seguir é uma apresentação, depois uma conversa a dois. Fazia-me sentido que num palco se fizessem apresentações, noutro existissem conversas, noutro Q&A's, ou em alternativa, por dias: dia de talks, dia de debates, e por aí. 

- da qualidade dos presenters. Estão no WebSummit p'lo amor da Santa! Powerpoints que o pc trás de raíz, imagens pixelizadas, vinte linhas de texto em cores que rasgam a retina e provocam ataques de epilepsia... NÃO! Sem falar em pessoas com tópicos interessantes mas boring as hell. Fiquei com a sensação de não haver curadoria nem apoio de qualquer espécie aos speakers.

 

Se alguém conhecer o Paddy, vá da minha parte e diga-lhe que eu faço isso para o próximo ano e garanto WOW factor até nos tópicos mais entediantes do universo. Obrigada.

 

Dois exemplos que ilustram isto:

 

O Joseph Gordon-Levitt é actor, é giro, carismático e tem um projecto maravilhoso que podem espreitar aqui. Até tinha um bom deck de slides, bem feitos, harmoniosos, claros e concisos. Depois a apresentação foi... aborrecida. Nem mais nem menos, só aborrecida. Desliguei ao fim de cinco minutos, tomei nota do nome do projecto para ver depois e bati palmas quando os outros bateram. Como na missa...

 

O Gary Vaynerchuk é empreendedor. Mais do que isso é um gajo que inspira, que contagia, que acrescenta valor. Em suma, que faz a festa sozinho. Já vi talks melhores em termos de conteúdo, mas ele incendeia uma plateia seja qual for o tópico. Ninguém sai dali indiferente. 

 

 

Agora, com dois testes para a semana e TODA a matéria em atraso... acho que vou enfiar-me num claustro só com um candeeiro a petróleo algures na Arrábida durante os próximos dias. Wish me luck!

MemeAvidaUniJJ.jpg